O destino escondido dos mergulhadores
créditos: AdobeStock

O destino escondido dos mergulhadores

Talvez poucos saibam, mas a segunda maior cadeia de recifes do mundo está em Honduras, mais precisamente na região das ilhas da baía. Um tesouro escondido, conhecido apenas por alguns mergulhadores, uma vez que em Útila é possível praticar o esporte em condições inigualáveis e sem a necessidade de se gastar muito dinheiro.

O conjunto de ilhas mais importantes dessa região fica há apenas 30 km, todas elas com areias brancas, águas cristalinas e arredores mágicos. É o Caribe em seu estado mais puro, porém afastado dos clássicos destinos turísticos.

Com apenas 11 km de comprimento por 4 km de largura, Útila nos oferece um ponto alto em nossas vidas, é preciso se deixar levar. São praias após praias contornando a ilha que, além disso, conta com reservas ecológicas que rendem ótimos passeios.

Sua população é de pouco mais de 3 mil habitantes e existem lugares da ilha em que a visibilidade do mar chega a 500 m (um fato quase inédito, especialmente em mar aberto). A fauna marinha é abundante e o local conta com 12 escolas de mergulho, que oferecem desde cursos para iniciantes, até aulas para profissionais.

Como é comum no Caribe, são apenas duas as estações climáticas: a seca; entre novembro e maio, e a chuvosa; durante o restante do ano, nos meses de junho a outubro. Há duas formas de se chegar a Útila: por terra, até La Ceiba, e de lá pegar um barco que viaja pelas ilhas do território continental de Honduras, ou pelo ar.

Dentre as atividades econômicas mais comuns entre os moradores estão as relacionadas ao turismo, a pesca e o comércio. Para atender aos visitantes, a ilha conta com hospedagens que chegam a lotar durante a temporada de férias, por causa de praias, recifes e práticas de mergulho, e também pela herança cultural anglo-africana, o inglês crioulo e o carnaval, que ocorre em julho.

As opções de hospedagem incluem desde alojamentos mais em conta (quase improvisados), albergues e residências de moradores, até hotéis encantadores, repletos de luxuosidades. Recomendamos especialmente, devido à simpatia e ao profissionalismo, o Hotel Colibrí, o Laguna Beach Resort e o Gardens of Utila.

Caso possa curtir alguns dias a mais em Honduras, não deixe de lado a riqueza turística, arqueológica (referente à cultura maia) e gastronômica deste país da América Central. A partir da capital, Tegucigalpa, é possível organizar diversos passeios pelas redondezas. Em resumo, Honduras é um país pequeno com infraestrutura bastante aceitável (o país foi praticamente reconstruído após ser atingido pelo furacão Mitch, em 1998).

Por fim, algumas dicas sobre as delicias gastronômicas: Baleada, uma panqueca de farinha recheada com feijão frito, queijo e creme de parmesão (embora possa ser encontrada com algumas variações). Tapado Costeño, o Guifiti, Sopa Marinera… sem dúvidas, peixes e mariscos frescos, recém-saídos do mar.

Um destino único e praticamente ignorado. Um canto repleto de verdade e natureza, que contaminará os cinco sentidos dos viajantes que buscam por coisas diferentes.

 

Rafael Paniagua



Sobre o Bella Politica de Privacidade Política de Cancelamento Programa afiliados Área do parceiro Publicidade Imprensa Contato RSS